A solidão amiga – por Rubem Alves

16/07/17 | postado por: Virginia Pinheiro

 

A solidão amiga

 

A noite chegou, o trabalho acabou, é hora de voltar para casa. Lar, doce lar? Mas a casa está escura, a televisão apagada e tudo é silêncio. Ninguém para abrir a porta, ninguém à espera. Você está só. Vem a tristeza da solidão… O que mais você deseja é não estar em solidão…

Mas deixa que eu lhe diga: sua tristeza não vem da solidão. Vem das fantasias que surgem na solidão. Lembro-me de um jovem que amava a solidão: ficar sozinho, ler, ouvir, música… Assim, aos sábados, ele se preparava para uma noite de solidão feliz. Mas bastava que ele se assentasse para que as fantasias surgissem. Cenas. De um lado, amigos em festas felizes, em meio ao falatório, os risos, a cervejinha. Aí a cena se alterava: ele, sozinho naquela sala. Com certeza ninguém estava se lembrando dele. Naquela festa feliz, quem se lembraria dele? E aí a tristeza entrava e ele não mais podia curtir a sua amiga solidão. O remédio era sair, encontrar-se com a turma para encontrar a alegria da festa. Vestia-se, saía, ia para a festa… Mas na festa ele percebia que festas reais não são iguais às festas imaginadas. Era um desencontro, uma impossibilidade de compartilhar as coisas da sua solidão… A noite estava perdida.

Faço-lhe uma sugestão: leia o livro “A chama de uma vela”, de Bachelard. É um dos livros mais solitários e mais bonitos que jamais li. A chama de uma vela, por oposição às luzes das lâmpadas elétricas, é sempre solitária. A chama de uma vela cria, ao seu redor, um círculo de claridade mansa que se perde nas sombras. Bachelard medita diante da chama solitária de uma vela. Ao seu redor, as sombras e o silêncio. Nenhum falatório bobo ou riso fácil para perturbar a verdade da sua alma. Lendo o livro solitário de Bachelard eu encontrei comunhão. Sempre encontro comunhão quando o leio. As grandes comunhões não acontecem em meio aos risos da festa. Elas acontecem, paradoxalmente, na ausência do outro. Quem ama sabe disso. É precisamente na ausência que a proximidade é maior. Bachelard, ausente: eu o abracei agradecido por ele assim me entender tão bem. Como ele observa, “parece que há em nós cantos sombrios que toleram apenas uma luz bruxoleante. Um coração sensível gosta de valores frágeis”. A vela solitária de Bachelard iluminou meus cantos sombrios, fez-me ver os objetos que se escondem quando há mais gente na cena. E ele faz uma pergunta que julgo fundamental e que proponho a você, como motivo de meditação: “Como se comporta a sua solidão?” Minha solidão? Há uma solidão que é minha, diferente das solidões dos outros? A solidão se comporta? Se a minha solidão se comporta, ela não é apenas uma realidade bruta e morta. Ela tem vida.

Entre as muitas coisas profundas que Sartre disse, essa é a que mais amo: “Não importa o que fizeram com você. O que importa é o que você faz com aquilo que fizeram com você.” Pare. Leia de novo. E pense. Você lamenta essa maldade que a vida está fazendo com você, a solidão. Se Sartre está certo, essa maldade pode ser o lugar onde você vai plantar o seu jardim.

Como é que a sua solidão se comporta? Ou, talvez, dando um giro na pergunta: Como você se comporta com a sua solidão? O que é que você está fazendo com a sua solidão? Quando você a lamenta, você está dizendo que gostaria de se livrar dela, que ela é um sofrimento, uma doença, uma inimiga… Aprenda isso: as coisas são os nomes que lhe damos. Se chamo minha solidão de inimiga, ela será minha inimiga. Mas será possível chamá-la de amiga? Drummond acha que sim: “Por muito tempo achei que a ausência é falta./ E lastimava, ignorante, a falta./ Hoje não a lastimo./ Não há falta na ausência. A ausência é um estar em mim./ E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,/ que rio e danço e invento exclamações alegres,/ porque a ausência, essa ausência assimilada,/ ninguém a rouba mais de mim.”

 

 

Leia também:

http://www.viva50.com.br/encerrando-ciclos/

http://www.viva50.com.br/o-tempo-e-as-jabuticabas-texto-de-rubem-alves/

 

deixe um comentario no blog

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

6 Comentários:A solidão amiga – por Rubem Alves
  1. Regina lucia

    Que texto lindo deste grande homem que estar cada dia mais vivo pelo menos para mim. “A ausência é um estar em mim”. Tenho estado em mim, quer dizer aprendendo ainda. Mas a tristeza tem cedido um pouquinho. Beijo

    • MCelia

      Regina, é comum a tristeza aparecer , mas o importante é aprender como lidar com ela, certo ? Continue cuidando de você, o resultado é uma vida cada vez mais feliz !Uma otima semana para você! Bjs

      • Ana

        Texto maravilhoso!!! Às vezes me sinto como o jovem que ele descreveu e vou encontrar os amigos aí percebo que seria melhor ter ficado em casa…. na maioria das vezes me sinto tão bem quietinha no meu canto, lendo, ouvindo música, assistindo um bom filme mas ás vezes… só algumas vezes sinto falta de companhia e trocar alguma idéia…

        • MCelia

          Querida Ana, é muito bom quando curtimos nossa solidão, mas faça o exercício de sair algumas vezes com amigos , colegas de trabalho etc… Você pode ter uma boa surpresa e encontrar alguém legal. Curta sua solidão, mas procure alternar com o convívio com pessoas legais… Boa sorte , bjss

  2. Clovis Roberto

    Este texto me faz refletir melhor na minha solidão…….
    Não sou solitário, vivo a solidão quando me convém pra refletir na vida e sonhar os meus sonhos……

    • MCelia

      Muito interessante sua colocação: não sou solitário, vivo a solidão quando me convém… É bem por ai , Clovis! Bem vindo ao Viva50, abraços.