Sobre o amor – por Clarice Lispector

19/04/20 | postado por: Virginia Pinheiro

 

Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue; outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho… o de mais nada fazer.

 

deixe um comentario no blog

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

7 Comentários:Sobre o amor – por Clarice Lispector
  1. Sonia Nordqvist

    Esses textos de domingo são muito bacanas. Esse achei genial. Como tudo que ela escreveu, faz pensar. Bjs

  2. Edineila

    Muito linda essa mensagem.

    • MCelia

      A Clarice Lispector nos emociona muito , né, Edineila? Bjs

  3. ALEX SANTOS BANDEIRA BARRA

    Por favor, de qual livro é esta Crônica?

    • MCelia

      Não sei te falar Alex, mas vou ver e te falo logo mais , ok ?

  4. Sandra Aranha

    Embora circule pela internet como sendo de Clarice Lispector, esse texto pertence ao livro “Faces da Poesia ” de Helenna Souza, de 2015. Pode ser lido no books.google.

    • MCelia

      Oi, Sandra , obrigada por nos alertar , vamos arrumar , beijos